Loading...

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Criação ou Evolução?



" No princípio, criou Deus os céus e a terra. A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas.
Esta é a gêneses dos céus e da terra quando foram criados, quando o Senhor Deus os criou.Então, formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente." Gêneses 1.1-2, 2.4,7




Evolução

Nosso planeta abriga milhões de espécies, que exibem uma enorme diversidade de tipos, vivendo nos mais diversos hábitats. A Teoria da Evolução tenta explicar o mecanismo que propociou essa imensa variedade de seres vivos.
Basicamente, essa teoria supõe que:

- os seres vivos são passíveis de modificação e, portanto, podem sofrer alterações morfofisiológicas ao longo dos séculos;

- as espécies atualmente conhecidas originaram-se de outras preexistentes;

- a linha evolutiva se desenvolve no sentido de tornar as espécies cada vez mais aprimoradas e adaptadas no decorrer do processo de ajustamento e sobrevivência às condições existentes num determinaado ambiente.

Conceito de adaptação



Entende-se por adaptação o conjunto de características que contribuem para a sobrevivência e reprodução de uma espécie num determinado meio ambiente.
No desertos, por exemplo, os camelos são capazes de tolerar a escassez de água, devido a uma série de cracterísticas que apresentam, tasi como: resistência à desitratação, capacidade de utilização da água metabólica, resistência às variações internas de temperatura, etc. Deslocando-se esses animais das regiões árticas, eles teriam grandes dificuldades para sobreviver nas novas condições ambientais.

Em meados do século XIX, a himanidade levou um choque. Um cientista inglês, geólogo e naturalista, ameaçou nosso lugar sobre o pedestal dos seres vivos. Charles Darwin colocou-se na incomôda companhia de todos os outros animais. Afirmou que todos somos frutos de uma mesma evolução biológica, assemelhando-nosma nossos parentes mais próximos, os primatas. Tamanha ousadia foi imediatamente retrucada com ironia. Muitos riram chamando os macacos do zoológico de ancestrais de Darwin; outros simplismente ignoraram-no ou até agrediram-no. Sabe-se hoje que Daewin guardou sua idéia original por 12 anos, temendo represálias.
Passando um tempo, tendo a ciência confirmado a Teoria da Evolução e encontrado provas inequívocas da sua veracidade, uma saída foi sorrateiramente construída.
A primeira teoria da evolução surgiu no início do século passado através do naturalista que inaugurou a biologia, Jean B. Lamarck. Acreditava que os animais mudavam sob pressão ambiental, transferindo essas mudanças para sua prole. Embora estivesse errado, sua teoria foi revolucionária para a época. Charles Darwin foi influenciado pelas idéias de Lamarck. Darwin questionou a idéia da transmissão hereditária dos esforços individuais de adequação ao ambiente e baseou sua teoria na existência de variação casual ( ou mutação aleatória) e seleção natural. Partiu do princípio de que todos os seres vivos vieram de seus ancestrais através de um longo e contínuo processos de variações.
Sigmund Freud observou, com ironia, que as grandes revoluções científicas auxiliam na derrubada da arrogância humana de sue pedestal anterior, afastando as convicções que temos de nossa posição central a dominadora. A primeira dessas revoluções foi a copernicana, que nos removeu do centro de um reduzido universo e nos remeteu à condição de habitantes de um pequeno planeta que gira em volta de uma estrela, que hoje sabemos ser apenas uma, de quinta grandeza e periférica, dentre bilhões de estrelas numa das mais de 200 bilhões de galáxias existentes.
A segunda grande revolução, para Freud, foi a darwiniana, por nos colocar na descendência comum a todos os demais seres vivos.



Criação

Nós do AJUDANDO AO PRÓXIMO cremos na criação de Deus. Na gêneses da formação da espécie humana, por isso, por elucidante que seja a Teoria da Evolução e outros evolucionistas é vago as explicações adquiridas.Haja vista que, no primeiro capítulo do Livro do Gêneses refulta toda a Teoria do Evolucionismo. Porém, há pessoas que não crêem na Palavra de Deus e por mais que tentassemos explicar, foi Deus que criou todas as coisas seria uma tentativa inútil, já que a mesma não crê.
Onde acharemos evidências da existência de Deus? Na criação, na natureza humana e na história humana. O desígno evidente no universo aponta para uma Mente Suprema. ( Argumento teológico, de "Telos", que significa "desígno ou propósito".)
O universo deve ter uma Primeira Causa ou um Criador. ( Argumento cosmológico, da palavra grega "cosmos", que significa "mundo".)
Consideramos nosso pequeno planeta e nele as várias formas de vida existentes, as quais revelam inteligência e desígno divinos. Naturalmente surge a questão: " Como se originou tudo isso?) A pergunta é natural, pois as nossas mentes são constituídas de tal forma que esperam que todo efeito tenha uma causa. Logo, concluímos que o universo deve ter tido uma Primeira Causa, ou um Criador. " No príncipio - Deus"(Gên.1.1).


Por que o Homem foi criado?

Deus não precisava criar o homem, mas nos criou para a sua própria glória. Como por toda a eternidade sempre houve perfeito amor e comunhão entre os membros da Trindade (Jo 17.5,24), Deus não nos criou porque estava só ou porque precisasse da comunhão de outras pessoas - Deus não precisava de nós por motivo nenhum.
No entanto, Deus nos criou para a sua própria glória. Na análise da independência divina, observamos que Deus se refere aos seus filhos e filhas das extremidades da terra como aqueles "que criei para minha glória" ( Is 43.7; cf. Ef 1.11-12). Portanto, devemos fazer "tudo para a glória de Deus" ( 1 Co 10.31).
Portanto, a atitude normal do cristão é alegrar-se no Senhor e nas lições da vida que ele nos dá (Rm 5.2-3;Fp 4.4; 1Ts 5.16-18; Tg 1.2; )
Dizem-nos as Escrituras que, quando glorificamos e desfrutamos a Deus, ele se alegra conosco. Lemos: " Como o noivo se alegra da noiva, assim de ti se alegrará o teu Deus" (Is 62.5), e Sofonias profetiza que o Senhor "se deleitará em ti com alegria; regozijar-se-á em ti com júbilo. Os que estão entristecidos por se acharem afastados das festas solenes, eu os congregarei" ( Sf 3.17-18).
Quando percebemos que Deus nos criou para glorificá-lo, e quando passamos a agir a fim de cumprir esse fim, então começamos a experimentar uma intensidade de alegria no Senhor que antes não conhecíamos. E quando acrescemos a isso a compreensão de que o próprio Deus se deleita com a nossa comunhão com ele, nossa alegria se torna "inexprimível e plena de glória celeste" (1Pe 1.8 paráfrase do autor)
"Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele." Colossenses 1.16-17

"Portanto, cremos na criação divina e sabemos que a criação geme com dores de parto aguardando a manifestação dos filhos de Deus."Na esperança de que também a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus." Romanos 8.21


PAULINO,Roberto Wilson. Biologia:As teorias da Evolução,10.ed.São Paulo:Ática.1998.142-143 p.

GUERREIRO,Silas.Olho dagua:Antropos e Psique.Editora Abril.2004.

GRUDEM, Wayne.Teologia Sistemática:A Criação do Homem,1 ed,São Paulo:Vida Nova.1999.361 p.

PEARLMAN,Myer.Conhecendo as Doutrinas da Bíblia.São Paulo:Vida.1970.32 p.



Nenhum comentário:

Postar um comentário